Arquivo

Posts Tagged ‘Poesia’

Exerto do Conto extremadamente poético – josé luís montero

Aquilino Ribeiro é um dicionário; Começou a Viagem não passa de um livro de falsa viagem. Fumo; mal gasto o tempo a desenhar bolinhas a voar e a esfumar-se. Como; inverto o prazer. Amo; aniquilo o tempo. Apago o cigarro; descalço-me; levanto-me; visto as cuecas. Tenho um amigo que se chama Pascácio; acontece. Volto a fumar; dispo as cuecas. Quero praia; gosto de chuva. Surrealismo por extenso; banha na frigideira. Fialho de Almeida percebeu que a Galiza era um Continente. Eu não sou galego; nasci na Galiza. Tenho um amigo português que é galego; não sabe; pensa que veio de Paris; entrou em Portugal por Vilar Formoso. Amanhã é domingo, hoje é sexta-feira. Está a passar uma carroça cheia de cenouras. Quero estudar Italiano.

Anúncios

Exerto do Conto extremadamente Poético – josé luís montero

Quando se ama, habita-se no carro manso da Vida. Perde-se; ganha-se; alcança-se. Deixa-se de ser sendo. Perdura-se. Canta-se a chorar; chora-se a cantar; rumia-se. Quando sim é sim. Não. Paradoxo. Metáfora. Texto de escriba sobre os poros da pele. Renuncia. Abrenuncia. Caminho de flores sem flores. Píncaro. Poema; poesia verdadeira. Poema sem Poeta. Vida. Xica! Urra! Porra! Corro! Morro.

Começou a Viagem – josé luís montero ( imagens para um percurso )

COMEÇOU A VIAGEM – josé luís montero ( Imagens e Confusões )

Começou a Viagem – josé luís montero (colagem)

Maio 31, 2013 1 comentário

Começou a Viagem – josé luís montero

Autoentrevista para contar a viagem do livro Começou a Viagem caminho do Porto e do Surrealismo Saloio – josé luís montero

Maio 28, 2013 1 comentário

Numa carruagem apinhada de computadores, gravatas e chuchas eletrónicas Começou a Viagem partiu caminho do Porto à procura de meia-dúzia de leituras. A viagem demorou sete comboios e várias pernoitas em apeadeiros. Ao terceiro comboio instalou-se o cheiro a cavalo.

http://zarpante.com/pg/livro-come-202#.UZzvwYfVDzx

http://www.bertrand.pt/ficha/comecou-a-viagem?id=14937668

(Uma das minhas caras dormia; a outra fazia palavras cruzadas numa revista pornográfica.)

A minha cara de parvo: Com sete letras, como se diz: pene ereto?

A minha cara (des) tapada: Dadá diz: pau teso.

A minha cara de parvo: fumeiro. Orgia ou bacanal com sete letras?

A minha cara (des) tapada: Dadá diz: governo.

A minha cara de parvo: molhada. O comboio leva sandes de torresmos. Ler mais…