Arquivo

Posts Tagged ‘Porto’

O CAOS ESTÁ INSTALADO- josé luís montero ( publicado in Tomate e-Magazine)

Esta crónica publicada no Tomate e-Magazine, ao dia de ontem, superara largamente os 20 mil leitores.

O Governo está sem discurso. A coerência foi de férias e como nem a Madeira se salva, escolheu uma ilha anónima onde os deuses se chamam horizonte e a consagração coco. Nada parece estar a salvo do buraco da incerteza e a vida perdeu a dimensão do largo prazo. O sonho está encravado no temor e o sorriso perdeu-se na primeira manhã em que comprar um pão nos pareceu caro. Viver deixou de ser uma ventura para ser uma má ventura. O despropósito transformou-se em praxis política; a apatia rebelde sociopolítica dos cidadãos manifestou-se em forma de abstenção maciça, principalmente, nas duas grandes cidades, Lisboa e Porto, ao superar com clareza a participação eleitoral. Os famosos independentes, no meio disto tudo, não são referente do descontentamento visto que muitos não são tão independentes e outros obedecem mais a lutas e a raivinhas localistas como é o caso do Porto. São, isso sim, a expressão do caos da partidocracia; do caos institucional em que se vive e desgoverna. São o exemplo da incoerência da ordem como valor do Sistema. São partes do lóbi que quer ganhar terreno nos corredores do Poder. Ler mais…

Autoentrevista a modo de sermão eufórico sobre o livro Começou a Viagem – josé luís montero

As duas caras comem caracóis numa esplanada de Alfama. Bebem vinho tinto; argumentam a que a cerveja só serve para salpicar os sapatos. A minha cara de parvo está eufórica; teve uma conversa profunda com o livro Começou a Viagem.

 http://zarpante.com/pg/livro-come-202#.UZzvwYfVDzx

http://www.bertrand.pt/ficha/comecou-a-viagem?id=14937668

A minha cara de parvo: Começou a Viagem só quer viajar para o Porto. Passa mais de oito dias de comboio e quando chega se não lhe oferecem uma francesinha, poisam-no ao pé de um prato de entremeada na grelha. Diz que depois de esse poisar não precisa pintar o cabelo, fica logo com manchas.

A minha cara (dês) tapada: ele gosta mais da viagem; desta vez foi sentado ao lado de uma mulher de Cantanhede que era uma brasa e levava com ela um garrafão de vinho da sua adega. Chegou ao Porto com manchas roxas. Teve um grande êxito. Ler mais…

Autoentrevista para contar a viagem do livro Começou a Viagem caminho do Porto e do Surrealismo Saloio – josé luís montero

Maio 28, 2013 1 comentário

Numa carruagem apinhada de computadores, gravatas e chuchas eletrónicas Começou a Viagem partiu caminho do Porto à procura de meia-dúzia de leituras. A viagem demorou sete comboios e várias pernoitas em apeadeiros. Ao terceiro comboio instalou-se o cheiro a cavalo.

http://zarpante.com/pg/livro-come-202#.UZzvwYfVDzx

http://www.bertrand.pt/ficha/comecou-a-viagem?id=14937668

(Uma das minhas caras dormia; a outra fazia palavras cruzadas numa revista pornográfica.)

A minha cara de parvo: Com sete letras, como se diz: pene ereto?

A minha cara (des) tapada: Dadá diz: pau teso.

A minha cara de parvo: fumeiro. Orgia ou bacanal com sete letras?

A minha cara (des) tapada: Dadá diz: governo.

A minha cara de parvo: molhada. O comboio leva sandes de torresmos. Ler mais…

Rompimento do cordão policial à volta do edifício da Câmara (15 de Outubro, Porto)

Categorias:Video Etiquetas:,