Arquivo

Posts Tagged ‘Utopia’

TEIXEIRA DOS SANTOS FALA EM PASSADO josé luís montero

Teixeira dos Santos “visiona” mais países a pedir ajuda financeira. O Teixeira dos Santos fala sobre o que se comenta. Já se comentava quando ele estava no governo. Não leio muitos mas, leio alguns jornais de diferentes países e essa possibilidade é falada há bastante tempo. Economistas e não economistas sabem perfeitamente que estamos a viver uma crise sistémica. O que padece Portugal também o sofre Espanha; Itália; etc. A diferença está no tamanho e na capacidade de arraste destes dois países para que se esteja a contemporizar. A queda de Portugal não tem o efeito, pela dimensão, que pode ter Itália. Por isso, Europa tenta castrar o burro antes que tire da nora. Mas, o burro já está castrado e a nora estilhaçou-se. Caminhamos para outra forma de estar na vida; na História é impossível voltar sobre o caminho trilhado. As janelas abriram-se de par em par e nasceram movimentos cheios de futuro como os Indignados. Ninguém quer; ninguém quer viver, novamente, o passado. Ler mais…

FOI DIA DA REPÚBLICA por José luís montero

 

Foi o dia da República. O actual Presidente – homem sem cultura republicana – não sei o que disse; parece-me que falou em mudar de vida. Pode dizer o que lhe apeteça porque a República aceita tudo. Mas, o que diga ou não diga um Presidente não me interessa. Normalmente estes actos servem para mostrar fato novo e fazer muitas fotografias. Neste dia só me vem à memória um homem e muitos homens da famosa arraia-miúda, carbonários, anarquistas possibilistas que desencadearam o fim da monarquia dos Braganças; o fim dos especialistas cinegéticos. Mas, penso no Manuel dos Reis da Silva Buiça. Penso numa frase do seu testamento que marca as diferenças entre o ontem e o hoje. Simboliza aquela arraia-miúda que se barricou contra o absurdo e mudou a face de Portugal. A certa altura o Buiça diz no seu testamento:” Meus filhos ficam pobrissimos; não tenho nada que lhes legar senão o meu nome e o respeito e compaixão pelos que soffrem. Peço que os eduquem nos principios da liberdade, egualdade e fraternidade que eu commungo e por causa dos quaes ficarão, porventura, em breve, orphãos. “ Esta declaração marca um contraste enorme entre o ontem e o hoje.  Ler mais…